INSIGTHS E PESQUISAS

Prepare a sua próxima geração de acionistas

O título deste artigo é provocativo e visa chamar a atenção sobre a necessidade de se preparar para ser um acionista. É possível que, ao perguntar para uma plateia qualquer quem gostaria de ser herdeiro de uma empresa, a maioria das pessoas levantaria suas mãos imaginando uma vida confortável sem precisar trabalhar.  O que poucas pessoas imaginam é que ser herdeiro exige preparação e dá trabalho – muito trabalho. Ser membro de uma família empresária possibilita alguns privilégios e também muitas responsabilidades, afinal, como diria o ditado: “Quem tem direitos tem deveres.”

Quando falamos em ser herdeiro de uma empresa familiar, falamos em herdar não só uma empresa, mas toda uma história, um legado, uma reputação. Mesmo aqueles herdeiros que não têm como objetivo de vida atuar à frente dos negócios, o fato de ser um acionista ou futuro acionista, ou somente o fato de ser membro de uma família empresária, faz com que tenha que desenvolver consciência de seu papel e competências fundamentais.

Tendo como base a experiência acumulada de mais de 30 anos de existência da Cambridge, o time do Centro de Desenvolvimento trabalhou para chegar aos elementos fundamentais que devem ser trabalhados na preparação dos acionistas, independente de suas trajetórias de carreira individuais.

 

 

A preparação se inicia a partir do momento em que os membros familiares entendem as suas responsabilidades – isso exige conscientização e em algumas famílias isso é feito de forma muito espontânea e natural. Em outras, dependendo de suas características, é necessário todo um trabalho para colocar os membros na mesma página. Classificamos o primeiro estágio da preparação como membros Apoiadores – são aqueles que acompanham os temas importantes e apoiam os Empreendedores e Ativos em suas tomadas de decisão.

Para membros que optaram por não ocupar um papel na governança ou nos negócios, mas compreendem suas responsabilidades, as competências tipicamente trabalhadas são as seguintes:

  • Conhecer o contexto da família empresária
  • Autodesenvolvimento
  • Colaboração
  • Reputação

Os acionistas ou membros ativos são aqueles que contribuem ativamente para a evolução do empreendimento familiar em posições formais da governança ou dos negócios. Para aqueles que optaram em ser ativos, além das competências citadas acima, são incluídas em seus planos:

  • Entendimento de e dos negocios
  • Conhecimento sobre Governança para poder atuar e conectar os assuntos nos diferentes fóruns
  • Liderança para fazer o elo entre os acionistas e membros apoiadores e os empreendedores, bem como comunicar e envolver de forma adequada todos os stakeholders

 

Membros que chamamos empreendedores ou criadores de riquezas são aqueles que desenvolvem e compartilham visão de longo prazo para o empreendimento familiar, correndo riscos e buscando oportunidades de mudanças estruturais dentro dos negócios ou do portfólio. Estes membros muitas vezes são identificados pelo sistema e precisam ser apoiados e incentivados para que possam fazer suas contribuições. Além de todas as competências anteriores são os membros que possuem o empreendedorismo como fundamento essencial.

Para cada uma destas há uma definição detalhada e de acordo com os objetivos, momento em e a preparação dos Familia e seus membros, é possível adaptar a estratégia para o desenvolvimento destas competências.

Desenhamos jornadas personalizadas para desenvolver o familiar e o grupo para um ou mais papéis necessários na criação de valor para o negócio e para a realização pessoal. Acreditamos em desenvolver e fortalecer os indivíduos para que o coletivo se fortaleça e se desenvolva da melhor forma possível.

As jornadas de desenvolvimento precisam ser revistas de tempos em tempos, assim como os planos de trabalho individuais e coletivos. É importante reforçar que o trabalho para desenvolver as competências dos membros familiares tem prazo para começar mas não para terminar. Logo, toda a família, com o apoio da governança, deve se apropriar e se responsabilizar pelo processo e isso também é parte de todo o aprendizado coletivo. À medida que os indivíduos, o grupo e o empreendimento familiar vão crescendo e se desenvolvendo a complexidade aumenta, e as necessidades mudam trazendo a necessidade de atualizar os planos.

Se, como falamos no início deste texto, ser herdeiro é um trabalho, assim como em qualquer outro, os funcionários são avaliados e acompanhados de tempos em tempos pelo desenvolvimento de suas competências. É importante que a governança familiar se estruture para dar este suporte ao longo do tempo. Cada membro atuando em seu devido papel deve ser avaliado tendo como base as competências definidas, com critérios claros e transparentes e um feedback constante para que haja a oportunidade de evoluir. A avaliação não deve ter conotação negativa, aversiva ou punitiva. Pelo contrário – é na verdade uma oportunidade de desenvolvimento e aprendizado para todos os envolvidos. É também uma forma de trazer uma postura e comportamento mais profissional para as relações familiares, um desafio para a maioria das famílias.

 

Para cada papel que desenvolvemos em nossas vidas existem comportamentos esperados, para ser um acionista membro de um empreendimento bem sucedido não poderia ser diferente. Mãos à obra!

 

Bruna Tokunaga Dias

2020-09-15T16:43:18-03:000 Comentários