INSIGHTS E PESQUISAS

O papel do Conselho Familiar durante uma crise

Em momentos bons e ruins, a relação entre uma família proprietária e sua empresa deveria ser clara e de apoio recíproco.

Durante uma crise, a empresa familiar e a família possuem necessidades distintas para superar os tempos difíceis. Quando a sobrevivência de um negócio ou portfolio está em jogo, é comum observar que suas necessidades tenham prioridade, ao passo que as necessidades da família vêm em segundo lugar – ou até mesmo como um acessório posterior.

Falta de atenção às necessidades da família, embora seja por vezes admissível, pode tornar-se um risco. A família pode ficar desinformada a respeito da empresa e de sua resposta à crise. As questões ou preocupações familiares podem não ser consideradas. A família pode não saber como seus membros podem fornecer apoio durante a crise. À medida que o tempo passa, a família pode sentir-se distante da empresa e de seus líderes, ou ignorada por eles. Sentimentos de desconfiança e falta de unidade podem crescer. Tensões familiares podem surgir.

É precisamente nestes períodos de crise que a liderança de um Conselho Familiar altamente funcional é necessária para ajudar a organizar e unir a família e para pensar em como perseverar. Afinal, o Conselho Familiar é o fórum primário de liderança e governança focado na família empresária.

 

**************************************************************************************************************

O papel do Conselho Familiar

Um Conselho Familiar é um fórum de liderança e governança que existe para ajudar uma família empresária a atingir sua missão e suas metas importantes por meio das seguintes atividades:

  • Criar declarações motivadoras de valores, missão e visão familiares que esclareçam os princípios, propósitos e direções importantes para a família, assim como seus objetivos principais. Estas declarações ajudam a família em suas intenções de como apoiar a empresa familiar e de ter um impacto positivo na sociedade.
  • Ajudar a desenvolver e a acomodar os talentos dos membros da família nos papeis da empresa de modo que eles possam engajar-se de modo significativo em atividades e ativos importantes e melhor contribuir para o sucesso da família e da empresa.
  • Cultivar a unidade e o comprometimento familiar uns em relação aos outros, em relação à empresa e à missão da família. Isto é realizado pela promoção da comunicação e do compartilhamento de informações, pela organização de encontros, experiências partilhadas e reuniões formais da família, pelo ensinamento à família de sua história conjunta e legado comum e pela construção de um sentido de aventura relacionado àquilo que a família está fazendo conjuntamente.
  • Cultivar a disciplina familiar em apoio às diretrizes, políticas, acordos e processos decisórios que conduzem ao sucesso de longo prazo da família e da empresa.

**************************************************************************************************************

A liderança necessária em uma crise

A história multigeracional de toda empresa familiar é permeada por reviravoltas – tempos bons e tempos desafiadores.

Uma crise é uma experiência diferente de um desafio comum. Segundo o trabalho de Dutch Leonard, especialista de Harvard, uma crise de fato – como a pandemia de Covid-19 – é uma situação nova, inédita e imprevista em que, por definição, não há familiaridade ou resposta pronta. À medida que a crise se desdobra, ela gera surpresas e desafios, tornando necessárias atualizações e reformas contínuas dos planos de resposta e de ação. Frequentemente, há prioridades concorrentes que nunca tiveram de ser negociadas anteriormente.

Porque a crise é uma espécie de situação única, ela exige um tipo distinto de liderança dentro da empresa e da família.

Para superar uma crise, os líderes não devem focar em soluções imediatas, mas na organização de um processo eficiente para descobrir como lidar com as questões em tempo real, à medida que elas ocorrem. Em resposta à pandemia de Covid-19, os líderes de negócios e comissões de todo o mundo estabeleceram equipes de gestão da crise.

De acordo com o Professor Leonard, os melhores líderes durante uma crise “aprendem o caminho adiante por meio do evento”. Estes líderes conduzem um processo iterativo de solução de problemas que é rápido, inovador e replicável. Ele inclui continuamente:

  • Estar informado e atualizado à medida que a situação evolui
  • Avaliar as opções de solução dos problemas
  • Testar soluções como experimentos e aferir o que funciona
  • Recorrer a novas soluções de acordo com a necessidade
  • Informar os principais acionistas sobre o que é conhecido a respeito da crise, seu impacto e nossa resposta

Os líderes não possuirão todas as respostas imediatamente e cometerão alguns equívocos ao longo do caminho. Solucionar eficientemente os problemas e manter a progressão do processo são partes essenciais da liderança de crise. Boa comunicação com os principais acionistas também é essencial.

Este modelo de liderança de crise também se aplica ao Conselho Familiar.

 

O papel do Conselho Familiar durante uma crise

Em consonância com o papel do líder durante uma crise, descrito acima, o Conselho Familiar deve ajudar a família a superar este período com sucesso. As ações do Conselho Familiar durante o período turbulento devem cultivar a consciência, a confiança, a benevolência e a perseverança no âmbito da família.

As atividades rotineiras do Conselho (como comunicação, encontros ou formação periódicas) podem ser alteradas de alguma forma durante este período, mas não devem ser suspensas por completo. O Conselho deve adicionar à sua pauta prioridades relacionadas à crise. Para lidar com elas de modo eficiente, é necessário realizar reuniões regulares para discutir e monitorar as questões e estabelecer um processo de solução de problemas específico para a crise.

 

O processo de solução de problemas do Conselho Familiar inclui quatro elementos:

  1. Esclarecer o papel do Conselho Familiar enquanto equipe de liderança que existe para supervisionar a resposta familiar à crise e para gerir os assuntos e questões familiares. Isto é parte do mandato do Conselho Familiar. Esta “equipe de crise” ou força-tarefa pode incluir o Conselho Familiar como um todo ou pode ser um subgrupo do Conselho. Ela pode incluir indivíduos que não fazem parte do Conselho Familiar para auxiliar nas notificações entre a família e a empresa ou para executar algumas iniciativas.

 

  1. Acompanhar as questões familiares e lidar com elas. O Conselho Familiar agenda avaliações regulares com a família para aferir as necessidades, as preocupações e as prioridades dos membros da família e para ajudar a responder às suas questões ou lidar com elas. O Conselho familiar reúne-se como grupo com maior frequência do que em tempos estáveis para:
  • Identificar questões que emergem da crise e identificar seu impacto na família (por exemplo, fazer um registro do nível de stress e de incerteza da família, das relações familiares, das preocupações da família no que se refere ao negócio, etc.) e a pressão que pode ser exercida na empresa familiar
  • Prever como a crise poderia impactar a família no curto e médio prazo
  • Fazer a conexão com outros fóruns de governança da empresa familiar para apresentar as prioridades, preocupações e interesses principais da família à liderança da empresa familiar
  • Garantir que as informações vitais obtidas pelo Conselho Familiar sejam compartilhadas e que os problemas sejam resolvidos pelas áreas relevantes

 

  1. Solucionar problemas em nome da família:
  • Solucionar questões centrais de interesse da família. Em algumas questões, o Conselho Familiar pode fazer isto sozinho, e, em outras, em coordenação com a liderança da empresa familiar ou outras entidades de governança
  • Desenvolver maneiras de solucionar questões ao priorizar e testar soluções
  • Ajudar a organizar a família para que ela seja útil e contribua com a empresa familiar e com outros afetados pela crise. Compreender o que a família e o Conselho Familiar fazem de melhor. É mais prático focar os esforços relativos ao impacto social nas atividades em que eles já possuem capacidades e experiência, e não fazer demasiados experimentos com novos métodos que podem desperdiçar tempo e reduzir impacto (por exemplo, durante a pandemia de Covid-19, os Conselhos Familiares promoveram respostas das seguintes maneiras: organização de atividades para a família de impacto social em pequena e grande escala como resposta à crise; colaboração com a fundação filantrópica para oferecer apoio; articulação com esforços da comunidade local para oferecer suporte às necessidades da comunidade; articulação com as equipes de gestão da empresa familiar para atender às necessidades dos funcionários da família)
  • Compreender e gerir a família e os aspectos políticos do sistema para preservar a unidade familiar ao mesmo tempo em que ajuda a solucionar os problemas imediatos que a família e a empresa enfrentam

 

  1. Comunicar-se eficientemente com a família e em nome da família. Ser um ponto central de comunicação. Isto pode incluir as seguintes atividades:
  • Manter contato próximo com a família para compreender como eles estão sendo impactados, do que eles necessitam e como os membros da família podem contribuir (durante o Covid-19, enviar mensagens frequentes com informação e apoio à família e partilhar dicas para ajudar os membros da família a adaptarem-se aos modos de vida do “novo normal”)
  • Aumentar a velocidade das comunicações e da comunicação de mão dupla entre o Conselho Familiar e a família (organizar reuniões virtuais para ajudar os membros da família a manterem-se informados a respeito do impacto do vírus e de suas consequências na família e em seus negócios, e para incentivar a unidade e o apoio familiar)
  • Tornar-se um parceiro mais confiável e fidedigno dos proprietários e da empresa. Transmitir as prioridades e valores da família para o Escritório Familiar, Conselho dos Proprietários e representante da Diretoria à medida que eles executam um plano de resposta à crise nos negócios e no Escritório Familiar
  • Fornecer contribuições se for necessária uma declaração pública em nome da família
  • Manter a família e os demais acionistas informados a respeito do processo realizado pelo Conselho Familiar
  • Ser honesto, agir com empatia e incentivar a resiliência familiar. Estabelecer expectativas razoáveis para a família a respeito do que pode ser feito e com que velocidade isto pode ser realizado
  • Enviar mensagens de agradecimento da família para os membros das equipes da empresa familiar que estão trabalhando ao longo da crise

Este tipo de processo pode solucionar problemas que têm o potencial de desestabilizar a relação entre a família e a empresa. Imagine o Conselho Familiar sendo reconhecido pela liderança da família por seu papel útil na gestão da família durante a crise. Além de seus benefícios claros, isto também pode ajudar a criar uma reputação para o Conselho Familiar como um grupo estrategicamente vital. Isto incentivaria os membros da família a querer servir nele.

 

Onde os Conselhos Familiares frequentemente empacam durante uma crise

Por vezes, os Conselhos Familiares perguntam-se se eles possuem a autoridade para fazer as coisas. Em uma crise, é ainda mais comum que um Conselho Familiar procure o líder dos negócios ou os proprietários para perguntar “O que você gostaria que o Conselho Familiar fizesse?”. Ao esperar por direções, o Conselho Familiar pode então ficar paralisado. Conforme foi discutido no início deste artigo, se a crise tem um impacto sério no negócio, seu líder pode estar tão atribulado, que não pensa nas necessidades da família. Isto pode fazer com que a família e também o Conselho Familiar se sintam negligenciados, como se eles não fossem um grupo importante da governança. A oportunidade de liderança pode ser perdida pelo Conselho Familiar quando de fato há muita coisa que ele deveria realizar.

Em uma época em que crises e turbulências serão mais comuns, o Conselho Familiar tem de ser mais claro quanto a seu importante mandato, papel, orçamento e o que ele precisa fazer durante uma crise. O Conselho Familiar deve articular-se bem com outros fóruns de governança e liderança para que as conexões, as sinergias, as comunicações e a solução compartilhada de problemas ocorram de modo eficiente. Manter uma relação vigorosa entre o Conselho Familiar e o Escritório Familiar, o negócio familiar, os proprietários familiares e a fundação familiar é central.

 

Enxergando além da crise

Talvez não seja surpresa que a intensidade da crise relativa ao Covid-19 tenha se tornado um batismo de fogo para muitos Conselhos Familiares e grupos de governança. Muitos estão descobrindo em que ponto estão situados na curva de aprendizado das respostas de gestão da crise. Alguns precisam desenvolver suas habilidades e processos para estarem mais bem capacitados para eventos disruptivos futuros.

A situação também ajudou estes grupos a adquirir uma visão a respeito de como podem fornecer apoio ao futuro da empresa familiar. Além de responder às necessidades da família durante a crise, muitos Conselhos Familiares estão reavaliando suas visões e estratégias para o futuro, para que possam continuar a servir à família eficientemente ao longo dos tempos turbulentos à frente.

 

Maria Sinanis, Senior Advisor and Partner, CFEG

Fellow, Cambridge Institute for Family Enterprise; Senior Advisor and Partner, Cambridge Advisors to Family EnterpriseMaria Sinanis advises multigenerational family-owned enterprises of diverse sizes, generations and industries throughout North America, Latin America and Africa. She assesses the performance of family enterprise systems; advises on best practices; designs and implements governance structures for the family, owners and business; facilitates governance meetings and leads families through governance and process issues; guides next generation family members to prepare them for future roles; and addresses family relationship challenges.

2020-09-22T10:42:50-03:000 Comentários